ISSN 1982-1026

Boletim de História
e Filosofia da Biologia

Publicado pela Associação Brasileira de Filosofia e História da Biologia (ABFHiB)

Dissertações e teses

PIOTTO, Victor da Rocha. Bernard de Jussieu (1699-1777) e sua contribuição à classificação dos vegetais. São Paulo, 2020. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo.

Defesa em: 24/09/2020

Orientadora: Maria Elice de Brzezinski Prestes

Resumo: Decorrente do aumento das coleções científicas de organismos animais e vegetais durante os séculos XVI a XVIII, ocorreu um maior desenvolvimento nos processos de organização dos seres vivos, gerando diferentes sistemas de classificação. Muitas vezes, atribui-se a um único naturalista, Car von Linné (1707-1778), o desenvolvimento da taxonomia no século XVIII. Porém, na mesma época, já existiam diferentes sistemas de classificação como o de Joseph Pitton de Tournefort (1656-1708) largamente adotado durante toda a primeira metade do século. Outro estudioso que propôs um sistema de classificação foi o médico e naturalista Bernard de Jussieu (1699-1777), membro de uma família de botânicos. Trabalhando no Jardin du Roi, em Paris, Bernard de Jussieu não publicou a sua proposta, mas a tornou conhecida por meio de uma estratégia particular, concreta, adotando-a como critério de arranjo das plantas nos jardins do Petit Palais, de Versailles. A sua proposta, com pequenos acréscimos, foi redigida em um livro em latim com o título Genera plantarum, por seu sobrinho, Antoine-Laurent de Jussieu (1748-1836) em 1774. Como de praxe às publicações do Jardin du Roi, a monografia passou pelo exame prévio de comissões constituídas por naturalistas e botânicos notórios da época, uma para a Académie Royale des Sciences, outra para a Société Royale de Médecine. Ambas as comissões aprovaram a publicação e os pareceres emitidos foram incluídos no livro impresso. Esse material possui elevado valor para a história da biologia, não apenas por expressar a apreciação crítica de especialistas contemporâneos de Jussieu, oferecendo uma análise epistêmica diacrônica da obra, como também por apresentar um resumo bastante detalhado do conteúdo do livro, tornando-o, assim, disponível em idioma francês. A presente pesquisa, com base na metodologia de pesquisa em história da ciência, tem por objetivos a) discutir diacronicamente o sistema de classificação de Bernard de Jussieu e Antoine-Laurent de Jussieu; b) analisar o papel de academias na publicação de obras científicas na França do período; c) traduzir ao português brasileiro os dois pareceres; e d) oferecer algumas diretrizes para o desenvolvimento de atividades sobre o episódio histórico analisado nesta dissertação e as fontes primárias aqui disponibilizadas em português para fomentarem o ensino de taxinomia, particularmente, no sétimo ano do ensino fundamental 2, segundo perspectivas do ensino contextual de ciências, promovendo entre as alunas e alunos discussões informadas sobre a natureza da ciência (NdC).

Palavras-chave: Bernard de Jussieu. Classificação Botânica. História da Ciência. Natureza da Ciência. Ensino de Ciências.

 

AZEVEDO, Carolina Perozzi Guedes de. Francesco Redi (1626-1698) e alguns contemporâneos: contribuições para a discussão sobre a origem dos seres vivos no século XVII incorporadas a uma narrativa histórica. São Paulo, 2020. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo.

Defesa: 07/08/2020

Orientadora: Maria Elice de Brzezinski Prestes

Disponível aqui

 Resumo: Um episódio histórico que aparece com frequência em diversos livros didáticos brasileiros é o da contribuição de Francesco Redi (1626-1698) para o combate da ideia de geração espontânea dos insetos. Redi realizou uma série de experimentos nos quais observou o aparecimento de vermes sobre alimentos em decomposição (carnes, vegetais) em frascos abertos e completa ou parcialmente fechados – um procedimento experimental inovador para a época. A partir dos resultados obtidos, defendeu a ideia de que aqueles vermes não surgiam espontaneamente como se pensava, mas a partir de ovos depositados por moscas e outros insetos que tivessem acesso às carnes ou vegetais. Contudo, paralelamente, Redi continuou alinhado a uma concepção de geração a partir de um “princípio vital” em outros casos, como “vermes” que aparecem em plantas ou no interior de animais. Ao mesmo tempo, outros pesquisadores também discutiam o tema e suas conclusões eram bastante variadas. É o caso de Robert Hooke, William Harvey e Philippo Bonanni, três contemporâneos de Redi que investigaram a geração dos seres vivos. Considera-se que uma visão parcial da história da ciência, que só menciona os “acertos” de um pesquisador do passado, oferece uma perspectiva distorcida sobre a natureza da ciência. Abordado apenas pelas ideias que são aceitas pela ciência atual, o caso de Redi pode ser apontado como um exemplo de “pseudo-história” que simplifica demais o processo da ciência, romantiza os cientistas e dramatiza suas descobertas. A inclusão de episódios da história da ciência na escola básica precisa, portanto, estar alinhada com a historiografia contemporânea, com os aportes das pesquisas teóricas e empíricas de inclusão da história da ciência no ensino e com propostas curriculares oficiais. Para isso, é necessário que se desenvolvam abordagens históricas contextualizadas e em língua portuguesa, acompanhadas de ferra- mentas que auxiliem sua utilização em sala de aula. Neste contexto, esta pesquisa dedicou-se a três objetivos principais: o primeiro, da pesquisa histórica, foi o de analisar, sob a perspectiva da historiografia atual, as contribuições de Francesco Redi para as discussões sobre a origem e reprodução dos seres vivos. O contexto epistêmico das ideias de Redi foi fornecido mediante a comparação de suas ideias com as de três pesquisadores que também abordaram o tema na época, William Harvey, Robert Hooke e Philippo Bonanni, caracterizando o segundo objetivo da pesquisa. O terceiro objetivo desta pesquisa, de caráter educacional, foi desenvolver uma Narrativa Histórica adequada para alunos do ensino fundamental II ou ensino médio, que facilite a aprendizagem de conceitos científicos atuais acerca da origem e reprodução dos seres vivos e que promova concepções fundamentadas da natureza da ciência. A Narrativa intitulada “Francesco Redi (1626-1698) e os vermes nas carnes: de onde vieram?” foi construída com base em metodologia proposta por pesquisadores da interface entre história da ciência e ensino de ciências. Espera-se que os resultados da pesquisa histórica contribuam com subsídios da história da ciência para a formação de professores de ciências e que a Narrativa constitua uma ferramenta que possa ser adaptada e inserida em planejamentos de ensino de diferentes realidades escolares, bem como submetida a avaliações empíricas de sua efetividade.

Palavras-chave: Bonanni; Philippo. Ensino de Ciências. Geração Espontânea. Harvey; William. História da Ciência. Hooke; Robert. Narrativa Histórica. Redi; Francesco. Século XVII